Resolução referente ao regime seriado

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 14, DE 01 DE FEVEREIRO DE 1999


Observação: esta resolução apresenta-se na íntegra na aba de editais.



DO INGRESSO NA UFMT
CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES


TÍTULO I - REGULAMENTO DO REGIME SERIADO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO


Art. 1º. Os cursos de graduação da Universidade são abertos à matrícula de
candidatos:

I - que tenham sido classificados em Concurso Vestibular e concluído o curso do 2º
grau antes da data da matrícula;

II - transferidos, mediante existência de vagas, ou compulsoriedade;

III - de outros países, através de convênio ou acordo cultural;

IV - portadores de diplomas de curso superior mediante a existência de vaga.

V - que tenham sido classificados em concurso Vestibular Especial, conforme
Projetos de Curso.


CAPÍTULO II DA CONCEITUAÇÃO DO REGIME SERIADO


Art. 2º. Entende-se por série: o conjunto de disciplinas com o mesmo período de
duração, proposto pelo Colegiado de Curso para fins de matrícula e seqüência curricular, para homologação na Congregação do Instituto ou Faculdade e aprovação do Conselho de Ensino e Pesquisa.
Parágrafo Único. O Regime Seriado consiste na organização das disciplinas em
séries de tal forma que as disciplinas de uma série sejam, naturalmente, preparatórias para as das séries subsequentes.



CAPÍTULO III
SEÇÃO I - DA CARACTERIZAÇÃO DO REGIME SERIADO
ANO LETIVO E CALENDÁRIO ESCOLAR


Art. 3º. O ano letivo independente do ano civil terá, no mínimo, 200 (duzentos) dias
úteis, dele se excluindo o tempo reservado a avaliações, exames finais e prazo para a realização dos exames de segunda época, de acordo com o Projeto Pedagógico de cada Curso.
Parágrafo Único. Os exames de segunda época que serão definidos no Calendário
Escolar dar-se-ão no mínimo de 10 dias, após a divulgação do resultado final. Art. 4º. O Calendário Escolar, que estabelece os prazos para as práticas e
efetivação de todas as rotinas acadêmicas, será proposto pela Pró-Reitoria de Ensino de Graduação e aprovado pelo Conselho de Ensino e Pesquisa.


SEÇÃO II - DO TURNO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E HORÁRIOS DAS AULAS


Art. 5º. Os turnos de funcionamento dos Cursos poderão ser organizados com
alternância de horário (matutino, vespertino e noturno) para melhor atender a demanda
social, desde que assim, estejam definidos no edital do Concurso Vestibular.
§ 1º. Os estágios supervisionados, bem como as disciplinas de natureza prática
poderão realizar-se em qualquer turno, desde que aprovados pelos Colegiados de Cursos.
§ 2º. No interesse dos alunos e da Instituição, os Departamentos poderão ofertar
disciplina(s) em turno(s) que não o(s) especificado(s) para o Curso, desde que aprovados
pelos Colegiados de Cursos.
Art. 6º. O horário das aulas será discutido pelo corpo docente junto ao Coordenador
de Ensino de Graduação do Curso e aprovado pelo Colegiado de Curso, ouvidos os
Departamentos envolvidos, observados os prazos definidos pelo Calendário Escolar da
UFMT e pelo Calendário de Atividades de cada Departamento e Institutos.


SEÇÃO III - DO CURRÍCULO DOS CURSOS

Art. 7º. O currículo pleno, proposto pelo Colegiado de Curso e aprovado pelo
Conselho de Ensino e Pesquisa, abrangerá a seqüência ordenada de um conjunto de
disciplinas agrupadas por série.
Parágrafo Único. Na elaboração das grades curriculares para o Regime Seriado
não poderá haver disciplinas, blocos de disciplinas, modalidades, ênfases, habilitações que
caracterizem diversificação de currículo para opção do aluno, ressalvados os casos
previstos no currículo mínimo de cada curso recomendado pelo Conselho Nacional de
Educação - CNE.
Art. 8º. Constituirão os currículos plenos dos cursos de graduação:
I - Disciplinas obrigatórias;
a) - Disciplinas desdobradas das matérias do currículo mínimo do curso fixadas pelo
Conselho Nacional de Educação - CNE;
b) - Disciplinas complementares;
II - Disciplinas exigidas ou determinadas por legislação específica;
III - Atividades Acadêmicas Complementares (AAC), poderão integrar os currículos
plenos dos cursos de graduação por opção dos alunos.
Parágrafo Único. A carga horária do currículo mínimo poderá ser acrescida apenas
nos percentuais permitidos pelo Conselho Nacional de Educação - CNE.
Art. 9º. São Atividades Acadêmicas Complementares:
a) monitoria acadêmica;
b) projetos de ensino;
c) projetos de extensão;
d) projetos de pesquisa;
e) disciplinas especiais;
f) participação em eventos;
g) visitas técnicas;
h) estágios extra-curriculares.§ 1º. A monitoria, projetos de ensino, pesquisa e extensão, somente serão
considerados AAC se devidamente registrados nas Pró-Reitorias correspondentes.
§ 2º. As disciplinas especiais, visitas técnicas e estágios extra-curriculares deverão
versar sobre os conteúdos não contemplados nas disciplinas dos currículos e que terão
como objetivo complementar, aprofundar ou atualizar conhecimentos ministrados no curso,
obedecendo critérios a serem definidos pelo Colegiado de Curso.
§ 3º. As participações em Eventos somente poderão ser considerados AAC, após o
reconhecimento pelo Colegiado de Curso competente.
Art. 10. Para todos os efeitos entende-se:
I - por matéria: o segmento específico de determinado ramo de conhecimento;
II - por disciplina: um conjunto de conhecimentos e atividades correspondentes a
um programa desenvolvido em um período/ano letivo;
III - por série: o conjunto de disciplinas de mesma duração, propostas pelo
Colegiado de Curso, para fins de matrícula e seqüência curricular.


TÍTULO II - DO REGISTRO ACADÊMICO E DA MATRÍCULA



CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS


Art. 11. Todos os candidatos pleiteantes a uma vaga na UFMT, sejam eles
classificados por Concurso Vestibular Unificado ou Especial, estrangeiros - por acordos
culturais, transferidos de outras Instituições ou portadores de Diploma de Nível Superior,
efetuarão sua matrícula nos prazos fixados pelo Calendário Escolar e atendendo a Edital
de Convocação expedido pela Coordenação de Administração Escolar - CAE, mediante
formulários próprios.
Art. 12. A CAE procederá a tantas convocações quantas forem necessárias para o
preenchimento das vagas nos Cursos de Graduação, obedecendo à ordem de
classificação dos candidatos e limitadas pelo calendário.
Art. 13. A matrícula inicial dos candidatos classificados no Concurso Vestibular
Unificado ou Especial será realizada pela Coordenação de Administração Escolar, nos
dias, horários e locais, divulgados no Manual do candidato ou anexos, compreendendo
duas fases simultâneas:
a) do registro acadêmico: fase em que o aluno vincula-se institucionalmente à
Universidade;
b) da matrícula: fase em que o aluno vincula-se ao curso e ao turno;
Parágrafo Único. É vedada, na Universidade Federal de Mato Grosso, a
vinculação de aluno a mais de um curso de graduação, concomitantemente.

CAPÍTULO II
DO REGISTRO ACADÊMICO

Art. 14. O Registro Acadêmico deverá ser efetuado pelo candidato ou por
procurador, no dia, horário e local estabelecidos, mediante a apresentação de cópias,
devidamente autenticadas, dos seguintes documentos:a) certidão de registro civil de nascimento ou casamento;
b) cédula de identidade;
c) comprovante de voto da última eleição, se portador de título eleitoral;
d) certidão de alistamento militar ou de quitação com o serviço militar;
e) duas fotografias 3x4 - recente;
f) histórico escolar do 2º grau, contendo carga horária e notas das disciplinas de
todas as séries - duas vias;
g) certificado de conclusão de ensino de 2º grau visado pela Secretaria de
Educação ou outro órgão competente.
§ 1º. O documento a que se refere a alínea “f” e “g” poderá ser substituído, para
efeito de registro, por histórico escolar de Curso Superior ou declaração de conclusão de
Curso Superior, porém não fica o candidato dispensado de apresentar o referido
documento, ou diploma registrado, no prazo de 90 (noventa) dias, sob pena de nulidade de
registro.
§ 2º. Os candidatos de nacionalidade brasileira cujos estudos tenham sido
realizados no exterior deverão apresentar declaração de equivalência de estudo, concedido
pelo Conselho Estadual de Educação competente para atendimento ao disposto na alínea
“f” deste artigo.
Art. 15. Os candidatos de nacionalidade estrangeira deverão apresentar fotocópias
devidamente autenticadas, dos seguintes documentos:
a) documento de identidade para estrangeiro, válida à data do registro ;
b) duas fotografias 3x4 - recentes;
c) certidão de registro de nascimento ou casamento;
d) prova de conclusão de escolaridade de 2º grau no Brasil ou declaração de
equivalência de estudos realizados no exterior concedida pelo Conselho Estadual de
Educação competente.
Art. 16. O Registro Acadêmico do aluno transferido para esta Universidade deverá
ser instruído com os documentos relacionados no art. 14, além da Guia de Transferência,
expedida pela Instituição de origem.
Art. 17. O Registro Acadêmico dos alunos portadores de Diploma de Nível Superior
deverá ser instruído com os documentos relacionados no art. 14 exceto para os alunos que
realizaram seus estudos nesta Universidade, além do Diploma ou declaração de conclusão
de Curso Superior.
Art. 18. Caberá à Coordenação de Administração Escolar o exame da
documentação apresentada, perdendo o direito de Registro Acadêmico o candidato que
deixar de apresentar, no ato da efetivação, os documentos especificados nas alíneas “b”,
“f” e “g” no caso do artigo 14, e os documentos especificados nas alíneas “a” e “d” no caso
do Art. 15.
Parágrafo Único - O disposto neste artigo não isenta o candidato de apresentar os
demais documentos relacionados nos artigos 14 e 15 no prazo estabelecido pela
Coordenação de Administração Escolar.
Art. 19. As fotocópias dos documentos previstos nos artigos 14 e 15 poderão ser
autenticadas pelo órgão responsável pelo Registro Acadêmico, à vista do documento
original, por meio de carimbo “confere com o original”, contendo, além do nome da
Instituição e do órgão, local para indicação da data, nome e assinatura do funcionário
responsável.Parágrafo Único - Para efeito de registro a cópia dos documentos solicitados
poderá ser substituída por TELEFAX, ficando o registro condicionado à entrega dos
originais ou fotocópias autenticadas no prazo estabelecido pelo órgão responsável, sob
pena de nulidade da matrícula.
Art. 20. A Coordenação de Administração Escolar expedirá, a todos os
ingressantes, um cartão de identificação estudantil contendo o número do Registro
Acadêmico.
Parágrafo Único. O número do Registro Acadêmico, pelo qual serão processados
todos os dados referentes à vida escolar do aluno, será único, independentemente da
forma e quantidade de ingressos do discente, e obedecerá a numeração seqüencial dentre
todos os ingressantes da Universidade.
Art. 21. Encerrado o processo de Registro Acadêmico, a Coordenação de
Administração Escolar deverá, no prazo máximo de noventa dias, encaminhar aos órgãos
competentes à verificação da vida escolar do ensino de 2º grau, o Histórico Escolar dos
alunos ingressantes, para a devida comprovação da sua veracidade.
§ 1º. Constatada alguma irregularidade no documento de conclusão de 2º grau,
deverá ser imediatamente comunicada ao órgão de verificação a que esteja afeto o
estabelecimento que expediu o referido documento, para as devidas providências.
§ 2º. Confirmada a irregularidade pelo órgão de verificação de vida escolar, o
Registro do Aluno será cancelado por ato do Reitor, sendo o mesmo desligado do corpo
discente da Universidade.

CAPÍTULO III - DA MATRÍCULA
SEÇÃO I - DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 22. A matrícula nas séries será precedida de planejamento, pela Coordenação
de Ensino de Graduação dos Cursos.
Art. 23. A matrícula nos cursos de graduação será efetuada na série, mediante
requerimento à Coordenação de Administração Escolar, no período definido no Calendário
Escolar.
§ 1º. O candidato classificado no Concurso Vestibular deve matricular-se na
primeira série do curso.
§ 2º. A matrícula dar-se-á por disciplinas apenas naquelas que o aluno cursar em
dependência ou por reprovação, conforme normas estabelecidas neste Regulamento.
§ 3º. Entende-se por regime de dependência a situação do aluno reprovado em até
duas disciplinas da série cursada e matriculado na série subsequente.
Art. 24. A efetivação da matrícula, na série inicial, inseparável do Registro
Acadêmico, será caracterizada pela entrega dos formulários próprios, definidos pela
Coordenação de Administração Escolar.
Art. 25. Terá o direito de se matricular na série seguinte do curso:
I - O aluno aprovado em todas as disciplinas da série cursada;
II - O aluno considerado dependente em disciplina.

Art. 26. O aluno em dependência, matricular-se-á na série seguinte e,
simultaneamente, nas disciplinas que cursar por dependência, devendo as últimas serem
ofertadas em turno diferente daquele em que o aluno estiver cursando a série regular, no
período imediatamente posterior a sua reprovação.
Parágrafo Único. É obrigatória a freqüência do aluno nas disciplinas cursadas em
regime de dependência.
Art. 27. Perderá o direito de se matricular na série seguinte o aluno considerado
reprovado na série, devendo matricular-se na mesma série, porém com direito ao
aproveitamento automático de estudos nas disciplinas cursadas e aprovadas.
§ 1º. É considerado reprovado em disciplina o aluno que:
a) não obtiver 75% (setenta e cinco por cento) de freqüência em qualquer disciplina
em que estiver matriculado;
b) não alcançar nota final igual ou superior a 5,0 (cinco) na disciplina.
§ 2º. É considerado reprovado na série o aluno que:
a) não obtiver aprovação, por média ou freqüência, em mais de duas disciplinas da
série cursada;
b)não conseguir aprovação em disciplina cursada em regime de dependência.
Art. 28. Considerar-se-á anulável a matrícula efetuada em inobservância de
qualquer das exigências, condições ou restrições definidas neste Regulamento.
Art. 29. A reprovação pela terceira vez na mesma disciplina, fará com que o aluno
tenha sua matrícula automaticamente recusada na série subsequente, observado o período
de integralização curricular.

SEÇÃO II
MATRÍCULA PARA ALUNOS COM DIPLOMA DE NÍVEL SUPERIOR E
TRANSFERÊNCIA EXTERNA

Art. 30. Haverá matrícula em Cursos de Graduação da UFMT de portadores de
Diploma independente de Concurso Vestibular.
§ 1º. A matrícula de que trata este artigo só será permitida em caso de existência de
vaga no curso e na série.
§ 2º. As vagas destinadas a este tipo de matrícula são aquelas que persistirem após
o atendimento dos candidatos a rematrícula e a transferência interna e externa, de acordo
com critérios estabelecidos pelo Colegiado de Curso.
Art. 31. A aceitação da matrícula de portadores de diplomas de cursos superior
obedecerá à seguinte ordem de prioridade:
I - para obtenção de outra habilitação do mesmo curso;
II - para realização de outro curso, observados os critérios relativos ao requerente:
a) possuir maior número de disciplinas cursadas com aproveitamento do currículo
mínimo;
b) ter cursado, com aprovação, maior número de disciplinas da estrutura curricular
do curso pretendido;
c) persistindo o empate, nas alíneas a e b, o Colegiado Superior das Unidades
fixará outros critérios de forma objetiva.

Art. 32. A aceitação de matrícula de transferência externa facultativa obedecerá à
seguinte ordem de prioridade:
a) ter condições de integralizar o curso no prazo máximo estabelecido pelo órgão
competente do MEC;
b) ser oriundo de curso autorizado e/ou reconhecido pelo órgão competente do
MEC;
c) apresentar menor número de reprovações;
d) apresentar maior número de disciplinas aproveitáveis;
e) existir vaga na série;
f) ser oriundo de Universidade Pública.


SEÇÃO III
MATRÍCULA COMPULSÓRIA

Art. 33. É assegurada na UFMT, matrícula em qualquer época, independentemente
de vaga, ao servidor público federal, civil ou militar estudante, oriundo de Instituição de
Ensino congênere à UFMT, no interesse da Administração Pública, que haja mudado de
sede, salvo nos casos de investidura em cargo ou função pública (art. 99 da Lei 8112/90 -
Regime Jurídico Único e Lei 9536 de 11/12/97).
§ 1º. O disposto neste artigo estende-se ao cônjuge ou companheiro, aos filhos ou
enteados do servidor que vivam na sua companhia, bem como os menores sob sua
guarda, com autorização judicial.
§ 2º. Se porventura, a UFMT não for Instituição congênere com a de origem do
servidor, e se for a única na localidade da nova residência deste, deverá acatar a
solicitação de matrícula compulsória que atender aos outros requisitos.
§ 3º. São consideradas Instituições congêneres, as idênticas, semelhantes,
similares, pertencentes ao mesmo gênero, ex.: as públicas são congêneres das públicas e
as particulares das particulares.
§ 4º. Não havendo na UFMT, o Curso de origem do pretendente, será permitida
transferência compulsória para cursos afins.
a) O julgamento da afinidade entre o curso de origem e o curso pretendido caberá
ao Colegiado do Curso pretendido, homologada pela respectiva Congregação.

TÍTULO III
DO TRANCAMENTO DE MATRÍCULA E DA REMATRÍCULA

Art. 34. Durante os sessenta primeiros dias, contados do início do período letivo, de
acordo com o Calendário Escolar, o aluno poderá requerer ao Colegiado de Curso o
trancamento de matrícula.
§ 1º. O trancamento de matrícula não será permitido no ano em que o aluno efetuou
a sua primeira matrícula no curso (na UFMT), exceto nos seguintes casos previstos em Lei:
a) por motivo de doença, mediante Atestado Médico;
b) afastamento para prestação de Serviço Militar;
c) afastamento por licença de gestação, mediante Atestado Médico;
d) afastamento comprovadamente a serviço.
§ 2º. O trancamento será concedido durante o curso, no máximo em até 2 (dois)
anos, intercalados ou não, não sendo estes períodos computados no prazo de
integralização do curso.
§ 3º. Não será permitido o trancamento parcial de estudos, por disciplinas.

Art. 35. Será considerado desistente, e desligado da UFMT, o aluno que deixar de
se matricular nas séries, mesmo que em um só período letivo, depois de devidamente
intimado pela Coordenação de Administração Escolar, via Aviso de Recebimento (AR),
para se justificar perante o Colegiado de Curso dentro de prazo máximo de 60 dias.
Art. 36. O aluno que obtiver decisão favorável do Colegiado de Curso, homologada
pela Congregação da Faculdade/Instituto, no caso previsto no art. 35 deste regulamento,
deverá requerer rematrícula, na série, sujeita a eventuais adaptações curriculares, quando
for o caso.


TÍTULO IV
NORMAS PARA DESLIGAMENTO DE CURSO APÓS
O PRAZO MÁXIMO FIXADO

Art. 37. O aluno que não concluir o Curso de graduação, no prazo máximo de
integralização do respectivo currículo, fixado pelo Conselho Nacional de Educação, terá
seu desligamento do curso publicado em Edital.
Parágrafo Único. O prazo máximo de integralização do respectivo currículo, seja
para os alunos transferidos a qualquer título ou aos da UFMT, será contado a partir da
realização do Concurso Vestibular.
Art. 38. A divulgação do número de períodos disponíveis para integralização do
currículo do Curso será efetuada através do “Controle Curricular”, emitido pela
Coordenação de Administração Escolar, por ocasião da matrícula.
Art. 39. Para matrícula, a Coordenação de Administração Escolar deverá divulgar
Edital em que conste a relação de alunos que esgotarão o prazo para integralização
curricular naquele ano letivo.
Parágrafo Único. Encerrado o ano letivo, os alunos que esgotarem o prazo
máximo para integralização curricular sem terem concluído o Curso, perderão o direito às
matrículas subsequentes, por ato do Reitor.


TÍTULO V - DO APROVEITAMENTO E DA DECLARAÇÃO DE VAGAS


CAPÍTULO I - DOS CRITÉRIOS PARA O APROVEITAMENTO DE VAGAS PARA TRANSFERÊNCIAS  DE REGIME, INTERNA E EXTERNA

Art. 40. O potencial de vagas do curso, para o aproveitamento, será o somatório
das vagas, abertas pela Coordenação de Administração Escolar para o concurso
vestibular, correspondentes ao número de períodos determinados pelo tempo médio do
currículo do curso.
§ 1º Enquanto não forem implantadas todas as séries do currículo do curso no
regime seriado, será considerado o número de períodos do currículo do sistema de
créditos, para o cálculo do potencial de vagas do curso/turno.
§ 2º. O número de vagas aproveitáveis pelo Curso será determinado pelo resultado
obtido entre o potencial de vagas, deduzidos os alunos matriculados e com matrícula
trancada, considerando-se os dois regimes acadêmicos.
Art. 41. Durante a fase de transição, e com base no resultado apurado no cálculoprevisto no artigo anterior, o Colegiado de Curso deverá estabelecer o número de vagas
por série do currículo, considerando:
I - o número de séries implantadas no regime seriado;
II - o número de turmas oferecidas para ingressantes por concurso vestibular e
mudança de regime acadêmico, bem como o número de alunos matriculados e as vagas
existentes nas referidas turmas;
III - os alunos do sistema de crédito que solicitarem reingresso no curso, após
trancamento, por até dois períodos letivos, quando estes tiverem seus pedidos deferidos
para o regime seriado.
§ 1º. O total de vagas abertas nas diversas séries não poderá ultrapassar o número
de vagas existentes no Curso.
§ 2º. Para obtenção do número de vagas existentes no curso e séries, a
Coordenação de Administração Escolar subsidiará os coordenadores de colegiados de
curso, com os relatórios estatísticos necessários.
Art. 42. A declaração de vagas, para efeito de rematrícula, transferência interna e
externa facultativa e matrícula de graduado em nível superior, somente será fornecida se
existirem vagas no Curso, nas séries, aos solicitantes que obtiveram classificação após
análise e decisão do Colegiado de Curso.
Art. 43. Competirá à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação, através da CAE
proceder ao cálculo do número de vagas a serem preenchidas por transferências e
divulgá-lo, por Edital, conforme o previsto no Calendário Escolar.
Art. 44. Nos casos de transferência compulsória, conforme Art. 33 deste
Regulamento, a declaração de vagas será automática.
Art. 45. Após a expedição do Atestado de Vaga ou deferimento da
compulsoriedade e análise do aproveitamento de estudos, o solicitante poderá freqüentar
as aulas, para efeito de aferição do rendimento escolar e freqüência, até o recebimento da
guia de transferência, documento imprescindível para a matrícula.
Art. 46. Os Colegiados de Curso deliberarão sobre o fato de alunos solicitantes de
transferência assistirem as aulas condicionalmente à efetivação da matrícula antes da
expedição do Atestado de Vaga, ou da aceitação da compulsoriedade.
Parágrafo Único. Os estudos realizados condicionalmente não produzem efeito
caso a matrícula não se efetivar dentro do período a que se referem.

TÍTULO VI - DAS TRANSFERÊNCIAS

Art. 47. A UFMT, mediante requerimento do interessado, após a expedição do
Atestado de Vaga por outra Instituição de Ensino, fornecerá em qualquer época aos seus
alunos, Guia de Transferência.
Art. 48. A UFMT aceitará transferências para preenchimento de vagas existentes
nos Cursos de Graduação.
Parágrafo Único. Não será aceita transferência de aluno para o primeiro e último
ano de Curso, salvo nos casos amparados por legislação específica.
Art. 49. O processo de transferência de alunos de outras Instituições de EnsinoSuperior, de alunos da Universidade para o mesmo Curso, em outro Turno e entre os
diversos Campi, obedecerá as seguintes normas gerais:
§ 1º. A transferência somente será permitida para prosseguimento dos estudos no
mesmo Curso e, excepcionalmente, para cursos afins, caso haja vaga e de acordo com o
Art. 33 § 4º deste Regulamento.
§ 2º. A transferência, em todos os casos, obedecer-se-á a seguinte ordem de
prioridade:
I - Transferência compulsória;
II - Transferência interna de turno do mesmo Curso;
III - Transferência para o mesmo Curso, entre os diversos campi da Universidade;
IV - Transferência externa de Instituição do país;
V - Transferência externa de Instituição de outros países.
§ 3º. Serão considerados como mesmo Curso aqueles que possuem o mesmo
currículo mínimo.



CAPÍTULO I
DA TRANSFERÊNCIA INTERNA

Art. 50. A transferência para o mesmo Curso ou Curso Afim, entre os campi da
UFMT, será considerada como transferência interna, sujeita ao disposto neste Capítulo.
Art. 51. Os pedidos de transferência de Cursos diurno para noturno e vice-versa,
dependem de vaga, e só poderão ser feitos pelos alunos que, à época do julgamento do
pedido, já tenha terminado com aproveitamento o ano no Curso de origem, e serão
analisados e decididos pelo Colegiado de Curso, com base nos mesmos critérios deste
Capítulo.
Art. 52. Os pedidos de transferência de campus, de Curso, ou de turno deverão ser
protocolizados no Protocolo Acadêmico, no prazo previsto em Calendário Acadêmico,
devendo conter o Curso e Turno pretendidos bem como, quando for o caso, o campus de
origem e o de destino.
§ 1º. Os pedidos de transferência que não satisfizerem integralmente as exigências
desta Resolução serão de pronto indeferidos.
§ 2º. Das decisões proferidas no parágrafo anterior, caberá recurso para o
CONSEPE.
Art. 53. Será admitida a transferência interna de turno e transferência de campus,
para o mesmo Curso, nas seguintes hipóteses:
I - Mediante permuta entre dois requerentes matriculados ou com matrícula
trancada no mesmo Curso e série, em turnos diferentes;
II - Existência de vaga no campus ou turno pretendido;
III - Para o pedido de permuta de turno os candidatos deverão apresentar, no ato do
pedido, declaração de interesse na permuta;
IV - Os pedidos de permuta de turno serão avaliados pela Coordenação de
Administração Escolar, devendo instruir processo e, no caso da existência de vagas
notificar o Colegiado de Curso que os julgará;
V - Poderá ainda serem concedidas permutas de turnos após a efetivação do
Registro Acadêmico e da Matrícula, desde que requerida no prazo fixado em calendário.
Art. 54. Ocorrendo existência de vagas no Curso, poderão ser admitidastransferências nas séries para Curso Afim, sob o conceito de reopção, aquele aluno que
tenha integralizado ou que integralize, no mínimo o primeiro ano no Curso de origem, até o
final do período letivo corrente.
Art. 55. Para fins de transferência interna será obedecida a afinidade entre o curso
de origem e o pretendido pelo aluno, conforme Art. 33 § 4º deste Regulamento.
Art. 56. Após análise e decisão pelo Colegiado de Curso, compete à Direção de
Instituto ou Faculdade a homologação dos respectivos processos de transferência interna.
Art. 57. Não será permitida a transferência interna mais de uma vez durante a
vigência do mesmo Registro Acadêmico.
Art. 58. Se o número de candidatos for superior ao de vagas, para seu
preenchimento serão adotadas na ordem de prioridade os seguintes critérios:
a) maior número de séries a serem aproveitadas;
b) maior coeficiente de rendimento escolar.


CAPÍTULO II
DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA E COMPULSÓRIA

Art. 59. O requerimento de transferência de outras Instituições de Ensino Superior
deverá ser protocolizado no Protocolo Acadêmico, no prazo fixado em Calendário
Acadêmico, instruído com a seguinte documentação:
I - Uma via original e oficial do histórico escolar ou atestado/declaração em que
constem o aproveitamento e carga horária cursada e a data de realização do concurso
vestibular;
II - Declaração de que é aluno regularmente matriculado ou com matrícula trancada
na Instituição de origem, caso essa informação não conste no histórico escolar;
III - Documento, expedido pela Instituição de origem, em que constem o sistema e
verificação do rendimento escolar, contendo a tabela de conversão de conceito em notas,
quando for o caso, se não constar no histórico escolar;
IV - Documento contendo o número e a data do ato de autorização ou
reconhecimento do Curso na Instituição de origem, caso não conste no histórico escolar;
V - Quadro de equivalência entre as matérias do currículo mínimo e as disciplinas
do currículo pleno da Instituição de Origem;
VI - Cópia dos programas analíticos das disciplinas cursadas com aprovação
devidamente visados pela Instituição de Origem;
VII - Comprovante de recolhimento de taxa de transferência.
Art. 60. No caso da transferência compulsória, requerida em qualquer época,
deverão ser anexados os seguintes documentos:
a) Histórico Escolar;
b) Programas das disciplinas já concluídas, com indicação dos conteúdos e
duração, acompanhados de quadro demonstrativo do desdobramento das matérias do
currículo mínimo e complementares do curso de origem, conforme Guia Padrão;
c) Comprovante de pagamento da taxa correspondente.
Art. 61. A transferência externa facultativa para esta Universidade, sempre
condicionada à existência de vagas no curso, será admitida nas séries, aos solicitantes
matriculados regularmente em estabelecimentos de Ensino Superior nacionais e
estrangeiros para prosseguimentos de estudos do mesmo curso e, excepcionalmente, para
cursos afins.
§ 1º. A transferência de que trata este artigo será efetivada aos solicitantesmatriculados, regularmente, na Instituição de origem, no período que antecede aquele para
o qual é solicitada a transferência.
§ 2º. As transferências para cursos afins, dentro do estabelecido no Art. 33, § 4º
deste Regulamento, somente poderão ser aceitas quando houver sobra de vagas
oferecidas para rematrícula, transferências internas e externas, portadores de diplomas de
curso superior, de acordo com os interesses do curso.
Art. 62. A transferência de alunos de Instituições Estrangeiras de Ensino Superior
estará condicionada à apresentação de documentação autenticada pelos órgãos
competentes do país de origem e de acordo com as normas determinadas pelo Ministério
das Relações Exteriores e Ministério da Educação, além do comprovante de 1º. e 2º. graus
do Brasil.
Parágrafo Único. Os documentos expedidos por Instituições estrangeiras devem
ser autenticados pelas autoridades consulares competentes e acompanhados de tradução
pública juramentada.
Art. 63. Poderá ocorrer juntada de documentos ao processo até cinco dias úteis,
após o encerramento do prazo fixado em calendário, para o pedido de transferência.



TÍTULO VII - DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO- APRENDIZAGEM E
PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS
CAPÍTULO I - DA AVALIAÇÃO DO ENSINO-APRENDIZAGEM



Art. 64. A avaliação, entendida como integrante do processo de
ensino-aprendizagem, deve ser favorecedora do crescimento do aluno em termos de
desenvolver o pensamento crítico, a habilidade de análise, reflexão sobre a ação
desenvolvida e, coerente com uma concepção de educação, ensino e aprendizagem.
Parágrafo Único. Nos termos deste artigo, os resultados da avaliação, obtidos em
momentos diferentes e formas diversas que envolvam habilidades de comunicação, análise
e julgamento, deverão retornar aos alunos, em tempo hábil, para reflexão crítica sobre seu
desempenho.
Art. 65. A avaliação do ensino-aprendizagem nos cursos de graduação em regime
seriado será feita por disciplina, abrangendo sempre os aspectos de assiduidade e de
processo ensino-aprendizagem.
§ 1º. Entende-se por assiduidade a freqüência às atividades de cada disciplina e o
processo ensino-aprendizagem como resultado de todas as atividades desenvolvidas na
interação contínua entre aluno-conhecimento-professor.
§ 2º. Os aspectos de assiduidade e de processo ensino-aprendizagem, de que trata
o Caput deste artigo, serão considerados durante todo o período letivo, exame final e/ou de
segunda época, quando houver.
§ 3º. Não haverá abono de faltas, sendo adotado o regime de atividades
domiciliares nos casos previstos em lei.
§ 4º. Nos casos de estágios supervisionados, práticas de ensino, disciplinas dasáreas clínicas, trabalhos de graduação e monografias, a avaliação do ensino e
aprendizagem, deverá obedecer as normas especificadas em regulamento de cada curso
aprovado pelo Conselho de Ensino e Pesquisa.
Art. 66. Em consonância com a Proposta Pedagógica do Curso, para cada
disciplina haverá um Plano de Ensino contendo a ementa, os objetivos, as atividades, os
critérios gerais de avaliação e a bilbliografia.
§ 1º. O Plano de ensino a que se refere este artigo, será elaborado de forma
coletiva pelos professores das disciplinas, devendo ser aprovado pelo Colegiado de Curso,
podendo, anualmente, sugerir alterações às ementas aprovadas inicialmente.
§ 2º. As alterações curriculares de que tratam este artigo serão aplicáveis às turmas
futuras.
Art. 67. Os professores devem apresentar aos alunos, no início de cada período
letivo, o Plano de Ensino, (re) definindo as formas e os encaminhamentos das atividades
e do processo de avaliação, com seu respectivo cronograma, informando ao Colegiado de
Curso as alterações necessárias.

CAPÍTULO II
DO CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO



Art. 68. As disciplinas deverão ter uma única nota final, que espelhará o resultado
do processo ensino-aprendizagem do aluno, no período letivo, que deverá ser
encaminhada à Coordenação de Administração Escolar.
§ 1º. O número de avaliações realizadas no período letivo, ficará a critério do
professor responsável pela disciplina, e aprovado pelo Colegiado de Curso, respeitando
sempre o Projeto Pedagógico de cada curso.
§ 2º. Os resultados das avaliações realizadas, durante o período letivo, deverão ser
sistematicamente registrados pelo professor, de forma a permitir o acompanhamento do
aprendizado do aluno, bem como a devida orientação para aprendizagens posteriores.
§ 3º. O aluno deverá ter livre acesso ao instrumento e resultado de suas avaliações.
§ 4º. Deverá estar previsto nos Planos de Ensino, em consonância com o Projeto
Pedagógico de cada curso, a realização de exame final e/ou de 2ª época, cujos resultados
deverão ser apresentados aos alunos, pelos professores.
Art. 69. As verificações da aprendizagem deverão ser realizadas em dia útil, dentro
do horário de aulas das disciplinas.
Parágrafo Único. A realização de verificações da aprendizagem em dias,
horários, locais e duração diversas do estabelecido neste artigo poderá ocorrer, desde que
haja anuência, por escrito, do professor e de todos os alunos a serem avaliados, cujo
documento deverá ser juntado ao Diário de Classe respectivo.
Art. 70. As notas deverão ser registradas no Diário de Classe e publicadas no
prazo máximo de 10 (dez) dias úteis após a sua realização.
Parágrafo Único. O professor deverá permitir ao aluno o livre acesso ao
instrumento de sua avaliação.

CAPÍTULO III - DA ATRIBUIÇÃO DE NOTAS

Art. 71. Serão expressos em notas na escala de 0 (zero) a 10 (dez), todos os
resultados das avaliações do ensino-aprendizagem, comportando arredondamentos de
notas até uma casa decimal.
Art. 72. A ausência às avaliações da aprendizagem, implicará em nota zero,
ressalvados os casos previstos em Lei e neste Regulamento.

CAPÍTULO IV - DO RESULTADO FINAL



Art. 73. Será considerado aprovado o aluno que obtiver freqüência igual ou superior
a 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária total da disciplina e encontrar-se em
uma das seguintes condições:
I - aprovação direta - ter aproveitamento igual ou superior a 7,0 (sete), resultante do
processo avaliativo adotado em cada Curso.
II - aprovação com exame final - ter aproveitamento igual ou superior a 5,0 (cinco),
resultante da média entre esta nota e a média das demais avaliações.
III - aprovação com exame de 2ª época - ter aproveitamento igual ou superior a
5,0 (cinco), resultante da média entre esta nota e a média das demais avaliações, excluída
a nota do exame final.
Parágrafo Único. A Nota final obtida pelo aluno e a sua freqüência na disciplina
serão registradas em seu histórico escolar.
CAPÍTULO V
DO EXAME FINAL E/OU DE SEGUNDA ÉPOCA
Art. 74. Deverá submeter-se a exame final, na disciplina, o aluno que, tendo
freqüência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento), tiver alcançado nota final
inferior a 7,0 (sete).
Parágrafo Único. O exame final definido em Calendário Escolar, será realizado nos
10 (dez) dias imediatos que antecedem a data de encerramento do período letivo.
Art. 75. Deverá submeter-se a exame de segunda época o aluno que:
I - após a realização do exame final não obtiver média igual ou superior a 5,0
(cinco);
II - não comparecer para a realização do exame final.
Art. 76. Não será concedida nova oportunidade para a realização do exame final e
de segunda época, salvo os casos previstos em lei.
Art. 77. O exame de 2ª época será realizado 10 (dez) dias antes da matrícula no
curso, definida no calendário escolar da UFMT.
Parágrafo Único. O relatório de notas, contendo o resultado do exame final, deverá
ser encaminhado à Coordenação de Administração Escolar - CAE, até 7 (sete) dias
corridos, a contar da data de realização do exame final, complementado a posteriori,
quando for o caso, do exame de segunda época.

CAPÍTULO VI - DA REVISÃO DE VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM

Art. 78. A revisão do resultado das avaliações, quando não for atendida pelo
professor após solicitação informal do aluno, poderá ser requerida ao Coordenador de
Ensino de Graduação do Curso em que esteja lotada a disciplina.
§ 1º. O pedido de revisão formal deverá ser apresentado junto ao protocolo
acadêmico, até 2 (dois) dias úteis após a publicação da respectiva nota.
§ 2º. O pedido será liminarmente indeferido se, na exposição de motivos, faltar a
especificação, devidamente fundamentada, do conteúdo em que se julgar prejudicado, não
cabendo, neste caso, direito a recurso.
Art. 79. Em caso de deferimento do pedido, a revisão será feita por banca
constituída por 3 (três) professores da área de conhecimento, designados pelo Colegiado
de Curso a qual lavrará a ata a ser juntada ao requerimento. Ficará a critério da banca
revisora, ouvir o professor responsável pela disciplina e/ou o aluno requerente.
§ 1º. O resultado da revisão deverá ser divulgado no prazo máximo de 5 (cinco)
dias úteis, a partir da entrada do requerimento.
§ 2º. Não caberá pedido de recurso contra a decisão da banca designada pelo
Colegiado de Curso.

CAPÍTULO VII - DA SEGUNDA CHAMADA

Art. 80. Ao aluno que não comparecer na data designada para verificação da
aprendizagem deverá ser concedida a segunda chamada, desde que comprovada ao
professor da disciplina um dos seguintes motivos:
I - convocação pela Justiça Comum, Justiça Trabalhista ou Justiça Eleitoral;
II - luto por parte de cônjuge ou parente de primeiro grau;
III - impedimento atestado por médico ou dentista;
IV - serviço militar.
§ 1º. O pedido de segunda chamada deverá ser protocolizado na seção de registros
da UFMT e encaminhado à Coordenação de Ensino de Graduação do Curso, no prazo de
2 (dois) dias úteis, a contar da data anteriormente estabelecida para a verificação da
aprendizagem.
§ 2º. O prazo para fixação e divulgação da data, horário e local da segunda
chamada, quando concedida, será de 2 (dois) dias úteis, a contar da formalização do
pedido.
§ 3º. O resultado da verificação da aprendizagem em segunda chamada deverá ser
publicado no prazo de 02 (dois) dias, contados da data de sua realização.
CAPÍTULO VIII
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 81. Os comprovantes das avaliações deverão ser mantidos na Coordenação de
Ensino do curso, durante o prazo recursal ou pendência de recurso referente à respectiva
avaliação, após o que, serão devolvidos aos alunos.
Art. 82. Os Diários de Classe deverão permanecer arquivados na Coordenação de
Ensino do Curso e, os Relatórios Finais deverão ser encaminhados à Coordenação deAdministração Escolar-CAE, de conformidade com a legislação vigente.
Art. 83. Os casos omissos serão resolvidos pela Pró-Reitoria de Ensino de
Graduação, ouvido o Colegiado de Curso envolvido.

TÍTULO VIII - DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS

Art. 84. O aproveitamento de estudos será concedido por disciplinas, pelo
Colegiado de Curso pertinente, após análise, quando se tratar de Processo para ingresso
de portadores de diploma de Curso Superior, transferência de outra instituição de Ensino
Superior, transferência interna e transferência de regime, e no caso de transferência de
curso, via novo Vestibular, obedecidas as normas previstas neste regulamento.
Art. 85. No caso de o aluno já ter cursado alguma disciplina do currículo do Curso,
deverá solicitar aproveitamento de estudos junto ao Colegiado de Curso correspondente.
§ 1º. Mesmo com aproveitamento de estudos em disciplinas da primeira série do
Currículo do Curso será permitida a inclusão de disciplinas de séries subsequentes.
§ 2º. Após análise do aproveitamento de estudos o aluno poderá ser enquadrado
em série subsequente, observando o limite máximo de duas disciplinas não aproveitadas,
pertencentes a série anterior, desde que haja disponibilidade de horário para cursá-la.
Art. 86. Serão analisados, mediante solicitação do interessado, pedidos de
aproveitamento de estudos de disciplinas dos alunos que tenham cursado disciplinas do
currículo do curso em outras instituições ou em outro curso da universidade.
§ 1º. Somente será analisado pelo Colegiado de Curso pertinente, pedido de
aproveitamento de estudos de disciplinas para o curso em que o aluno estiver
matriculado.
§ 2º. O aluno, por meio de requerimento dirigido ao Colegiado de Curso
correspondente, poderá pleitear a permuta de disciplinas optativas.
Art. 87. O pedido de aproveitamento de estudos deverá ser efetuado no Protocolo
Acadêmico, acompanhado dos seguintes documentos, quando se tratar de disciplinas
cursadas em outras Instituição de Ensino Superior:
a) histórico escolar da Instituição de origem contendo a carga horária, nota ou
conceito e período letivo de integralização da disciplina;
b)critérios de avaliação da Instituição de origem, contendo a tabela de conversão de
conceitos em notas, quando for o caso;
c) documento expedido pela Instituição de origem em que constem o número e data
do ato de autorização ou reconhecimento do Curso;
d) cópia autenticada pela Instituição de origem dos programas das disciplinas
cursadas.
Art. 88. No caso de disciplinas cursadas na Universidade, o aluno deverá
protocolizar requerimento indicando o Curso e período letivo em que as cursou.
Art. 89. Será concedido aproveitamento de estudos para disciplinas do currículo
pleno do Curso na Universidade, desde que a carga horária e o conteúdo programático
sejam considerados satisfatórios.
Parágrafo Único. Toda disciplina cursada na Universidade, e que pelo código ou
tabela de equivalência se verifique pertencer ao currículo pleno no Curso, seráautomaticamente aproveitada pela Coordenação de Administração Escolar.
Art. 90. Na análise dos processos de transferência de outras Instituições de Ensino
Superior, quando a matéria do currículo mínimo foi integralmente cumprida na Instituição
de origem, a disciplina ou as disciplinas que compõem serão automaticamente
aproveitadas.
Parágrafo Único. No caso de a matéria ser desdobrada, nos cursos da UFMT, em
diferentes disciplinas, o Colegiado de Curso poderá exigir que o aluno curse as disciplinas
em falta para completar a matéria.
Art. 91. Poderá ser concedido aproveitamento de estudos por equivalente valor
formativo no caso de disciplinas da parte complementar do currículo pleno do Curso.
Art. 92. O Colegiado de Curso poderá conceder equivalência à disciplina no caso
de adaptação curricular ou regularização da oferta, sendo automaticamente considerada
para todos os alunos do Curso/currículo para o qual foi declarada a equivalência.
Art. 93. Para efeito de registro da vida escolar e controle da integralização
curricular, serão adotados os seguintes procedimentos, após decisão do aproveitamento de
estudo ou equivalência de disciplinas.
I - Serão registrados no histórico escolar do aluno a disciplina e carga horária do
currículo do Curso com o período letivo e nota final da disciplina cursada, quando se tratar
de aproveitamento de estudos ou equivalência de disciplina concluída antes do ingresso do
aluno no Curso na UFMT.
II - No caso de aproveitamento de estudos ou equivalência de disciplinas cursadas
após o ingresso no Curso, serão registrados no histórico escolar do aluno o código, período
letivo, e a nota final da disciplina cursada, com a carga horária da disciplina do currículo do
Curso na UFMT.
III - A nota final de cada disciplina será convertida para o sistema próprio de
avaliação da Universidade, sempre que necessário, e quando se tratar de conceitos, estes
serão convertidos em notas tomando-se como parâmetro os termos médios.
IV - Para cada disciplina cujos estudos foram aproveitados ou declarada a
equivalência constará no histórico escolar a mensagem “Dispensada/Equivalência”.
Art. 94. Os casos omissos serão resolvidos pelos respectivos Colegiados de
Cursos, Congregações de Institutos e Faculdades e, em grau de recurso pelo CONSEPE.

TÍTULO IX - DO ALUNO ESPECIAL E DO REGIME DOMICILIAR
CAPÍTULO I - DO ALUNO ESPECIAL

Art. 95. O graduado em nível superior poderá pleitear, como aluno especial,
matrícula em até duas disciplinas por série letiva em curso de graduação, mediante
existência de vaga.
Art. 96. A matrícula do aluno especial não o vincula a um curso específico, nem lhe
confere direito à matrícula em outras disciplinas além das expressamente autorizadas, bem
como não o caracteriza como aluno regular da Universidade.
Art. 97. O requerimento de matrícula de aluno especial, dirigido à Coordenação de
Administração Escolar, terá validade por apenas um período letivo e obedecerá ao prazoestipulado no Calendário Escolar.
Art. 98. As exigências para a matrícula de aluno especial na UFMT são as
seguintes:
a) Requerimento de matrícula em disciplinas isoladas;
b) Comprovante do pagamento de taxa;
c) Diploma de curso superior devidamente registrado.
§ 1º. O diploma de curso superior poderá ser substituído pelo Certificado de
Conclusão de Curso, quando tratar-se de graduado pela UFMT.
§ 2º. Também poderá requerer matrícula como aluno especial, o aluno da UFMT,
que esteja cursando o último período, caso em que a sua matrícula só será efetivada se
apresentar antes do início das aulas o competente certificado de conclusão de curso.
Art. 99. O aluno especial, desde que regularmente matriculado na Coordenação de
Administração Escolar e que satisfaça as exigências de assiduidade e aproveitamento,
segundo as normas vigentes na UFMT, fará jus a atestado de aprovação em disciplinas,
expedido pela Coordenação de Administração Escolar, mediante seu requerimento.
Art. 100. No caso do aluno especial passar à condição de aluno regular, mediante
aprovação em Concurso vestibular ou Matrícula de Graduado, somente poderão ser
aproveitados os estudos das disciplinas cursadas como aluno especial, quando as mesmas
forem cursadas atendendo a todos os requisitos exigidos na estrutura curricular do curso.
Art. 101. O aluno especial está sujeito ao regime acadêmico da UFMT no que tange
à freqüência, avaliação e à parte disciplinar.


CAPÍTULO II
- DO REGIME DOMICILIAR

Art. 102. O regime especial de exercícios domiciliares previstos na Lei 6202/75,
como compensação da ausência às aulas é concedido nos seguintes casos:
a) à aluna em estado de gestação prevista em lei;
b) ao aluno com incapacidade física relativa incompatível com a freqüência aos
trabalhos escolares.
§ 1º. Este benefício deve ser requerido ao Colegiado de Curso, anexando Atestado
Médico, com a indicação das datas de início e término do período de afastamento.
§ 2º. O aluno ou seu representante que não procurar o professor para receber os
exercícios dentro do prazo estipulado pelo Colegiado de Curso não terá direito a recuperar
as avaliações que deveriam ter sido realizadas durante o período do benefício.
Art. 103. Não será concedido o regime de exercício domiciliares, para estágios e
disciplinas e/ou atividades curriculares de modalidade prática, que exijam o
acompanhamento e orientação individual do professor e a presença física do aluno.

DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

Art. 104. Os Colegiados de Curso, que optarem pelo regime de Seriado elaborarão
os novos currículos para serem submetidos à aprovação do Conselho de Ensino e Pesquisa.
§ 1º. A alteração do currículo obedecerá os dispositivos legais vigentes, respeitando
o disposto neste regulamento, devendo conter: Forma de organização do Regime Seriado,
Projeto Pedagógico do Curso, constante de: histórico, justificativa, objetivos, princípios que
nortearão a formação, perfil do profissional a ser formado, estrutura curricular com o elencode disciplinas, ementas, carga horária e seriação, formas de avaliação de ensino, da aprendizagem e do curso e; Tabela de equivalência entre disciplinas do Regime de Crédito e as do Regime Seriado.
§ 2º. No caso elencado no caput deste artigo, os Colegiados de Curso poderão, no
prazo máximo de 02 (dois) anos, manterem turmas de transição curriculares, com ementário especial.
Art. 105. Os Colegiados de Curso, em comum acordo com os departamentos
envolvidos, tomarão as providências cabíveis às adaptações que viabilizem a mudança do sistema atual de créditos para o Regime de Matrícula por Série.
§ 1º. Devido as especificidades de cada área de conhecimento desenvolvidos nos
diversos cursos oferecidos pela UFMT, caberá aos Colegiados de Curso, ao proporem as alterações na mudança do Regime de Créditos para o Seriado, elaborarem seus respectivos programas sobre o caráter, o funcionamento e as formas de avaliação das disciplinas de caráter prático.
§ 2º. Para os cursos que optarem pelo Regime Seriado a ser implantado de forma
gradativa, será permitido, ao Colegiado de Curso, após a homologação da Congregação, proceder quebra de pré-requisito, desde que não se configure adiantamento para o período de integralização do curso.
Art. 106. O Colegiado de Curso poderá conceder equivalência a disciplinas no caso
de adaptação curricular ou regularização da oferta, sendo automaticamente considerada para todos os alunos do Curso/currículo para o qual foi declarada a equivalência.
Parágrafo Único. A equivalência será estabelecida por disciplina e currículo do Curso. Art. 107. Os Cursos que têm o Regime Seriado em implantação, cujos Processos
de Autorização tramitaram antes ou aguardam tramitação após revisão desta Resolução, terão prazo de 2 (dois) anos para se enquadrarem as determinações contidas neste Regulamento.
Art. 108. Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho de Ensino e Pesquisa – CONSEPE.


Logo da UFMT
Câmpus Cuiabá

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-8000

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Araguaia

Unidade I - Pontal do Araguaia
Avenida Universitária, nº 3500
Pontal do Araguaia - MT
CEP: 78698-000

(66) 3402-1108

Unidade II - Barra do Garças
Avenida Valdon Varjão, nº 6390
Barra do Garças - MT
CEP: 78605-091

(66) 3402-0736

Funcionamento Administrativo 08:00 às 11:30 e das 14:00 às 17:30 (horário local)

Câmpus Sinop

Avenida Alexandre Ferronato, nº 1200
Bairro Residencial Cidade Jardim - Sinop - MT
CEP: 78550-728

(66) 3533-3100

(66) 3533-3122

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30

Câmpus Várzea Grande

Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367
Bairro Boa Esperança - Cuiabá - MT
CEP: 78060-900

(65) 3615-6296

Funcionamento Administrativo 7h30 às 11h30 e 13h30 às 17h30